30 de agosto de 2011

REDAÇÃO - SARESP/2011

CARTA DO LEITOR
Carta do Leitor  é um gênero textual em que o leitor se dirige a um jornal ou revista para comentar, criticar ou elogiar uma matéria ou carta publicada em edições anteriores.

Na maioria dos jornais e revistas, há uma seção destinada a cartas do leitor ― em geral conhecida como "Cartas à Redação", "Painel do Leitor", entre outros títulos.
Essa seção oferece um espaço para que o leitor faça elogios ou críticas a uma matéria publicada, ou mesmo sugestões. Os comentários podem referir-se às ideias de um texto, com as quais o leitor pode concordar ou não; à maneira como o assunto foi abordado (neste caso, um leitor mais conservador pode afirmar que determinada questão foi tratada de forma muito liberal); ou à qualidade do texto em si (pode-se achar que o autor abusou de clichês, por exemplo).
É possível também fazer alusão a outras cartas de leitores, para concordar ou não com o ponto de vista expresso nelas.
A linguagem da carta do leitor costuma variar conforme o perfil dos leitores da publicação. Pode ser mais descontraída, se o público é jovem, ou ter um aspecto mais formal.
Esse tipo de carta apresenta formato parecido com o das cartas pessoais: data, vocativo (a quem ela é dirigida), corpo do texto, despedida e assinatura. Porém, quando necessário, a equipe de redação do jornal ou revista adapta as cartas do leitor a seu estilo e as reduz para encaixá-las na seção reservada a elas, mantendo apenas uma parte do corpo.
Quando publicadas, as cartas costumam ser agrupadas por assunto. Assim, reúnem-se as que se refiram à mesma notícia ou reportagem em um mesmo bloco, que recebe um títuloLeia, abaixo, as cartas do leitor. 
Em "Natalidade livre", o leitor afirma concordar com duas leitoras que defendem o controle da natalidade e depois expõe seu próprio ponto de vista; na mesma carta, ele discorda de outro leitor e expõe um argumento que justifica sua posição.
Nas cartas sobre o problema dos "Limites ao fumo", apresentam-se posicionamentos diferentes com relação à proibição do fumo em algumas situações. Os dois leitores expõem argumentos que sustentam o que afirmam.
Veja também que os critérios que um grande jornal brasileiro usa para selecionar os textos que aparecerão em sua seção de cartas. Note que os extensos podem ser resumidos pelo jornal.
http://duvidasredacao.blogspot.com

19 de agosto de 2011

Prova Brasil:Tratamento da informação


O bloco Tratamento da Informação engloba a leitura de gráficos e tabelas simples e de dupla entrada. Nelas, o aluno deve encontrar dados para resolver problemas
Mais sobre a Prova Brasil
MATEMÁTICA - 5º ANO
·         Descritores de Matemática Questões analisadas
·         Espaço e Forma
·         Grandezas e medidas
·         Números e Operações
·         Tratamento da informação
As habilidades relacionadas à coleta e à organização de dados que permitam a resolução de problemas são analisadas no bloco Tratamento da Informação. Dentro do descritor 27, são abordadas tanto as tabelas de coluna simples como as de dupla entrada. Ao desenvolver as habilidades relacionadas à análise de ambas, cabe ao professor levar a turma a encontrar nelas informações que permitam responder a questões do tipo "quantos", "qual", "qual o menor" ou "qual o maior". 

Para indicar qual a estação do ano com o maior número de visitantes em Londrina (veja o exemplo 1 no quadro abaixo), é necessário, após analisar a tabela, comparar os números. Para chegar à resposta correta da segunda questão, a criança tem de analisar uma tabela de dupla entrada. Depois, além de identificar a coluna que apresenta os valores do pagamento, ela tem de cruzar essa informação com a da linha que indica a condição do inscrito, o que gera uma complexidade maior.

Encontrar informações em tabelas (Descritor 27)
1. A tabela mostra o total de visitantes na cidade de Londrina durante as estações do ano. Qual foi a estação do ano com o maior número de visitantes?

Estações do ano
Total de visitantes (aproximadamente)
Verão
1.148
Outono
1.026
Inverno
1.234
Primavera
1.209
A) Inverno      B) Outono      C) Primavera      D) Verão

2. Um estudante pretende se inscrever para participar de um campeonato. O valor das inscrições está apresentado na tabela abaixo:

Categoria
Inscrições até 31/10
Na abertura do campeonato
Profissional
R$ 60,00
R$ 70,00
Estudantes
R$ 30,00
R$ 35,00

Sabendo que o estudante vai se inscrever na abertura do campeonato, qual o valor que ele vai pagar?

A) R$ 30,00     
B) R$ 35,00      C) R$ 60,00       D) R$ 70,00
Orientação didática
Leitura de tabelas simples e de dupla entrada

Tabelas são uma boa forma de organizar os dados de uma pesquisa. Por exemplo, uma que mostre os meios de transporte utilizados pelos alunos. Numa coluna ficam os veículos, e na outra, o número de crianças que os utilizam. A tarefa se complica quando é preciso estabelecer relações em uma tabela de dupla entrada, como esta:

Produto
2001
2002
2003
Café
0,80
1,00
1,20
Açúcar
0,60
0,90
1,20
Diante da questão sobre quanto os preços crescem de um ano para o outro, o aluno tem de analisar a primeira coluna em relação às outras três que apresentam os preços nos vários anos.
Encontrar informações em gráficos (Descritor 28)
O gráfico abaixo mostra a quantidade de pontos feitos pelos times A, B, C e D no campeonato de futebol da escola. De acordo com o gráfico, quantos pontos o time C conquistou?

(A) 50                    (B) 40                    (C) 35                    (D) 30 
Análise 
Ao bater os olhos no tamanho das colunas e relacioná-las com os números da coordenada de pontos, percebe-se quanto cada time conquistou.

Orientações
Exercícios com gráficos precisam estar sempre presentes nas aulas de Matemática. Para dar a oportunidade de um contato significativo com essa forma de organizar a informação, incentive os estudantes a perguntar e falar o que compreendem sobre os gráficos e as tabelas. A produção de textos que trazem a interpretação de gráficos e a construção deles com base em informações de textos jornalísticos e científicos constituem pontos a destacar. Ao planejar as aulas, é essencial considerar que eles oferecem diferentes graus de complexidade no que se refere à leitura e à construção.

18 de agosto de 2011

PROVA BRASIL

A Prova Brasil visa avaliar o desempenho em língua portuguesa e matemática de estudantes de 4ª e 8ª séries (5° e 9° ano)  de escolas públicas. Com os resultados do exame, é possível fazer um diagnóstico da situação nacional e regional da educação no país e  melhorar a qualidade do ensino básico, uma das metas do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE)
          O exame é organizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), em parceria com as redes estaduais e municipais de educação. Como todos os alunos das turmas avaliadas fazem prova, pode-se medir o desempenho por escola e por município.                                                                                                       
         Ao conhecer o desempenho dos alunos, o diretor tem como saber a real situação da escola em relação às demais. Os resultados da Prova Brasil permite aos dirigentes educacionais, inclusive, trocarem experiências de boas práticas pedagógicas. Além disso, secretários estaduais e municipais de educação podem, a partir do desempenho das escolas, elaborar políticas para reforçar a aprendizagem em sua localidade.
        As questões da prova são elaboradas com base nas habilidades de leitura e interpretação e de raciocínio diante de problemas lógicos. Além dos testes, os alunos respondem a questionários para opinar sobre os professores, o diretor e a própria escola.

17 de agosto de 2011

Descritores de Matemática para o 4º/5º ano
         Na prova de Matemática, são avaliadas as habilidades de resolver problemas em quatro temas: espaço e forma, números e operações, grandezas e medidas e tratamento da informação.
        Confira abaixo as expectativas de aprendizagem para 4º/ 5ºano e exemplos de questões sugeridas pelo MEC, com análises e orientações de especialistas.

Espaço e forma
D1 Identificar a localização e movimentação de objeto em mapas, croquis e outras representações gráficas
D2 Identificar propriedades comuns e diferenças entre poliedros e corpos redondos, relacionando figuras tridimensionais com suas planificações
D3 Identificar propriedades comuns e diferenças entre figuras bidimensionais pelo número de lados, pelos tipos de ângulos
D4 Identificar quadriláteros observando as posições relativas entre seus lados (paralelos, concorrentes, perpendiculares)
D5 Reconhecer a conservação ou modificação de medidas dos lados, do perímetro, da área em ampliação e/ou redução de figuras poligonais usando malhas quadriculadas

Grandezas e medidas
D6 Estimar a medida de grandezas utilizando unidades de medida convencionais ou não
D7 Resolver problemas significativos utilizando unidades de medida padronizadas como km/m/cm/mm, kg/g/mg, l/ml
D8 Estabelecer relações entre unidades de medida de tempo
D9 Estabelecer relações entre o horário de início e término e/ou o intervalo da duração de um evento ou acontecimento
D10 Num problema, estabelecer trocas entre cédulas e moedas do sistema monetário brasileiro em função de seus valores
D11 Resolver problema envolvendo o cálculo do perímetro de figuras planas, desenhadas em malhas quadriculadas
D12 Resolver problema envolvendo o cálculo ou a estimativa de áreas de figuras planas, desenhadas em malhas quadriculadas

Números e operações
D13 Reconhecer e utilizar características do sistema de numeração decimal, tais como agrupamentos e trocas na base 10 e princípio do valor posicional
D14 Identificar a localização de números naturais na reta numérica
D15 Reconhecer a decomposição de números naturais nas suas diversas ordens
D16 Reconhecer a composição e a decomposição de números naturais em sua forma polinomial
 D17 Calcular o resultado de uma adição ou subtração de números naturais
D18 Calcular o resultado de uma multiplicação ou divisão de números naturais
D22 Identificar a localização de números racionais representados na forma decimal na reta numérica
D23 Resolver problema utilizando a escrita decimal de cédulas e moedas do sistema monetário brasileiro
D24 Identificar fração como representação que pode estar associada a diferentes significados
D25 Resolver problema com números racionais expressos na forma decimal envolvendo diferentes significados da adição ou subtração
D26 Resolver problema envolvendo noções de porcentagem (25%, 50%, 100%)

Tratamento da informação
D27 Ler informações e dados apresentados em tabelas
D28 Ler informações e dados apresentados em gráficos (particularmente em gráficos de colunas)


PROVA BRASIL 2.011
Língua Portuguesa
1.1 Os descritores de 4ª série (5º ano)
A matriz de referência (com foco em leitura) apresenta um conjunto de descritores   habilidades que atende ao enfoque dado à prova para avaliar um conjunto  de procedimentos cognitivos, de capacidades de leitura do estudante. A matriz de referência de Língua Portuguesa está estruturada em duas dimensões. Na primeira dimensão, denominada “objeto de conhecimento”, são elencados seis macrotópicos, relacionados a habilidades desenvolvidas pelos estudantes, a saber:
a) Tópico I – Procedimento de leitura – Diz respeito a procedimentos fundamentaisdo ato de ler no que tange às informações explícitas e implícitas do texto, desde a localização, o entendimento de palavra ou expressão, compreensão global da informação, até o resgate de informação nas entrelinhas do texto.
b) Tópico II – Implicações do suporte, do gênero, e/ ou do enunciador na compreensão de texto – Diz respeito à “embalagem” em que o texto aparece, ou seja, sua estrutura, seu suporte, a forma como é veiculado, o que o caracteriza em um dado gênero discursivo.
c) Tópico III – Relação entre textos – Este tópico diz respeito à intertextualidade, ou seja, a comunhão entre textos quer na forma, quer no conteúdo.
É o conjunto de relações explícitas (ou implícitas) que um texto mantém com o outro. Neste caso específico, requer a comparação entre textos do mesmo tema.

d) Tópico IV – Coerência e Coesão no Processamento do Texto – Diz respeito às ligações de sentidos, tanto em nível micro quanto em nível macrotextual, ou seja, de que forma os recursos gramaticais estabelecem, por exemplo, as relações de continuidade do texto. A palavra de  ordem neste tópico é o estabelecimento de relações semânticas, ou seja, relações de sentido no texto.
e) Tópico V - Relação entre recursos expressivos e efeitos de sentido – Este tópico diz respeito ao uso de recursos quer lexicais (vocabulário), quer fonológicos (da relação entre letra e som), quer notacionais (pontuação e de outros sinais gráficos), e o efeito de seu uso, de sua escolha no texto.
f) Tópico VI - Variação Linguística - Considerando a heterogeneidade da língua (as diferenças de cada falante no uso da língua), e partindo de uma concepção de língua que varia no tempo, no espaço, socialmente, nas diferentes formas de falar das pessoas, homens, mulheres, crianças, idosos, este tópico visa à identificação das marcas que caracterizam os interlocutores do texto.

À primeira vista, pode-se afirmar que os seis tópicos que abrigam os quinze descritores da 4ª. série do ensino fundamental se apresentam em uma perspectiva do texto e de seu processo de uso, não em uma perspectiva do conteúdo. Não estão sendo avaliados conteúdos específicos de língua portuguesa na série ou na etapa da escolarização.
É esta a peculiaridade de uma matriz que avalia a competência leitora. Os tópicos que aglutinam os diferentes descritores de habilidades apresentam as condições necessárias para um adequado processamento da leitura pelo sujeito.
O leitor proficiente é capaz de reconstruir diferentes situações, eventos, ações, personagens, léxico (vocabulário), expressões para chegar à compreensão do texto, utilizando para isto muitas operações que nem sempre são conscientes. É interessante observar, ainda, que os três primeiros tópicos estão ligados ao texto em sua “estruturação arquitetônica”; os três últimos, à sua constituição corporal, ou seja, os recursos linguísticos que contribuem, em diferentes perspectivas, para a construção do texto.
Cada tópico reúne um grupo de descritores que visa à avaliação de diferentes competências do leitor. Passemos à análise dos descritores.
1.1.1 Tópico I – Procedimento de leitura – 4ª série (5º ano)
Constituem este tópico cinco descritores de habilidades.
D1 - Localizar informações explícitas do texto
Esta é uma habilidade básica na compreensão leitora do texto: a identificação de informações que estão claramente apresentadas no texto. Trata-se de localização de informação explícita, claramente identificável, o que permite avaliar se o estudante é capaz de localizar a informação, sem o auxílio de informação concorrente no texto.
D3 – Inferir o sentido de uma palavra ou expressão
O grau de familiaridade com uma palavra depende da frequência de convivência com ela, que, por sua vez, está ligada à intimidade com a leitura, de um modo geral, e, por conseguinte, à frequência de leitura de diferentes gêneros discursivos.
Por isso, a capacidade de inferir o significado de palavras – depreensão do que está nas entrelinhas do texto, do que não está explícito – evita o sério problema que se constitui quando o leitor se depara com um grande número de palavras cujo significado desconhece o que interfere na leitura fluente do texto.  Assim, a inferência lexical – recobrir o sentido de algo que não está claro no texto – depende de outros fatores, tais como: contexto, pistas linguísticas, para haver compreensão.
D4 – Inferir uma informação implícita em um texto
Da mesma forma que se depreende o sentido implícito de uma expressão, há uma complexidade um pouco maior quando se pensa em inferência de informações. Este descritor requer do leitor uma capacidade de construir a informação que está subjacente ao texto, partindo do contexto e das pistas linguísticas que o texto oferece.
Trata-se, na verdade, do desvendamento do que está subjacente, posto que há um balanceamento entre as informações de superfície do texto e aquelas que serão resgatadas nas entrelinhas do texto. Não é possível explicitar 100% as informações, sejam elas quais forem. Por isso, pode-se dizer que existem graus diferentes de implicitudes do texto.

D6 - Identificar o tema de um texto
Constitui-se em competência básica na compreensão do texto, pois trata do reconhecimento do tópico global do texto, ou seja, o leitor precisa transformar os elementos dispostos localmente em um todo coerente.
D11 - Distinguir um fato da opinião relativa deste fato
Dois conceitos são importantes neste descritor: fato e opinião relativa ao fato. O primeiro – fato – algo que aconteceu (acontece), está relacionado a algo real, quer no mundo “extratextual”, quer no mundo textual. Já a opinião é algo subjetivo, quer no mundo real, quer no mundo textual, que impõe, necessariamente, uma posição do locutor do texto.
Este é um descritor bastante importante, porque indica uma proficiência crítica em relação à leitura: a de diferenciar informação de uma opinião sobre algo.
É preciso ressaltar que, frente aos objetivos da avaliação a que estes descritores estão ligados, os procedimentos de leitura dizem respeito à localização e à identificação das informações.

   1.1.2 Tópico II – Implicações do suporte, do gênero, e/ ou do Enunciador na compreensão de texto.
São dois os descritores deste tópico.
D5 - Interpretar texto com auxílio de material gráfico diverso (propagandas, quadrinhos, foto, etc.)
Considera-se parte constitutiva da habilidade de leitura a construção da estrutura textual e de que forma esta estrutura traz implicações na compreensão de texto. Por isso, entende-se que este descritor requer a construção de uma “armação” sustentadora do assunto, ligada ao texto. Neste caso, o material gráfico pode levar o leitor a entender as relações mais abstratas. A informação focada no material gráfico pode preparar para a leitura verbal do texto. Entretanto, é, sem dúvida, necessária uma intimidade com este tipo de linguagem, que visa à articulação dessas duas formas de linguagem (verbal e não verbal).
D9 - Identificar a finalidade de textos de diferentes gêneros Este é um descritor em nível macrotextual que visa à identificação do gênero do texto, como também ao reconhecimento de sua finalidade, seu propósito comunicativo.
1.1.3 Tópico III – Relação entre texto.
Há apenas um descritor de habilidade neste tópico.
D15 - Reconhecer diferentes formas de tratar a informação na comparação de textos   que tratam do mesmo tema, em função das condições em que ele foi produzido e daquelas em que será recebido Neste descritor, a palavra-chave é a intertextualidade. Está inscrita na concepção do descritor a relação de interação que se estabelece entre os interlocutores. Isto pressupõe entender de que forma o texto é produzido e como ele é recebido. Neste sentido, admite-se a ideia de polifonia, ou seja, da existência de muitas vozes no texto, o que constitui um princípio que trata o texto como uma comunhão de discursos e não como algo isolado. Neste tópico, a ideia central é a ampliação do mundo textual.
1.1.4 Tópico IV – Coerência e Coesão no Processamento do Texto
Há seis descritores neste tópico.
D2 - Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando repetições ou substituições que contribuem para a continuidade de um texto Trata-se de uma habilidade fundamental para o entendimento do texto: relacionar as partes de um texto, tanto nas relações entre parágrafos, quanto nas relações dentro do parágrafo. Embora requeira do leitor um conhecimento gramatical das funções que um sintagma nominal e um pronome, por exemplo, podem exercer na frase, não se trata – é importante enfatizar – de uma identificação de palavras, mas de identificação de relações semânticas a que se pode atribuir coerência de sentidos no texto.
D7 - Identificar o conflito gerador do enredo e os elementos que constroem a narrativa Neste descritor, vamos nos ater mais especificamente ao tipo de texto (narrativo) e a seus componentes fundamentais. Portanto, diz respeito à construção da coerência entre os elementos da narrativa em relação ao conflito que gera o enredo.
D8 - Estabelecer relação de causa/ consequência entre partes e elementos do texto
A coesão sequencial diz respeito aos procedimentos linguísticos por meio dos quais se estabelecem, entre segmentos do texto, diversos tipos de relações semânticas, responsáveis por fazer o texto progredir. Neste caso específico, a relação é de causa/consequência: a busca dos porquês nas relações textuais.
D12 - Estabelecer relações lógico-discursivas presentes no texto, marcadas por conjunções, advérbios, etc.
De forma mais ampla, este descritor visa à ampliação dos descritores anteriores no que tange ao papel que as diferentes palavras exercem na língua. Trata-se de relação de coesão, ou seja, de ligação entre partes do texto, mas, neste caso, estabelecidas por palavras que substituem outras, como, por exemplo, os advérbios e as conjunções.
Aqui está um bom exemplo do que é um processamento textual e um conteúdo em sala de aula. Neste caso, não basta o estudante reconhecer o advérbio de tempo, modo ou lugar, por exemplo, mas entender como este advérbio une um parágrafo e outro, por exemplo, ou que relação de sentido estabelece entre uma ideia e outra dentro do parágrafo.
1.1.5 Tópico V – Relação entre recursos expressivos e efeitos de sentido.
Há dois descritores de habilidades neste tópico.
D13 - Identificar efeitos de ironia ou humor em textos variados
A proficiência leitora requer do leitor a capacidade de perceber os envolvidos no texto e também suas intenções. Neste sentido, o uso de determinadas palavras e expressões constituem pistas linguísticas que levam o leitor a perceber, por exemplo, um traço de humor do texto. Neste descritor, o leitor proficiente deve perceber o efeito que a palavra, expressão ou a construção de uma ideia, de forma irônica ou humorística podem causar no texto.
D14 – Identificar o efeito de sentido decorrente do uso da pontuação e de outras notações
Este descritor visa ao reconhecimento discursivo do uso dos sinais de pontuação, ou seja, que efeito provocam no texto, indicando uma pista linguística para entender a intenção comunicativa. Aqui se faz necessário marcar a diferença entre o que é gramatical: saber usar os sinais de pontuação, e o que é discursivo: saber avaliar o efeito decorrente do uso em dado contexto.
Esta é outra contribuição importante da matriz de referência: não basta o estudante conhecer os termos gramaticais. É fundamental que o estudante saiba relacionar o uso dos recursos gramaticais ao contexto discursivo. É neste sentido que vimos enfatizando que a matriz de referência apresenta um cunho textual, que investiga, efetivamente, o processo das informações a partir dos recursos disponíveis na língua.

1.1.6 Tópico VI – Variação Linguística
Há, apenas, um descritor de habilidade neste tópico.
D10 - Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o interlocutor de um texto partindo de uma concepção dialógica do texto, o descritor 10 visa à identificação das marcas que podem caracterizar os interlocutores, em diferentes momentos, espaços, etc. já que sabemos que usamos a mesma a língua, mas a usamos de forma diferente, quer pelas nossas próprias características, quer pelo nosso nível de escolarização, informalidade ou formalidade do quê e como queremos dizer, nossos regionalismos, etc.
 Deve-se lembrar de que os parâmetros da variação são diversos. Entretanto, estão imbricados, pois, no ato de interagir verbalmente, o falante acionará a variante linguística relativa ao contexto em que está inserido, de acordo com as intenções do ato de comunicação.

VOTAÇÃO TOP 30/2014